domingo, 10 de julho de 2016

Simulador de direção é tecnologia em favor de um trânsito mais seguro



Diante das recentes discussões acerca das reações da sociedade quanto à obrigatoriedade do simulador de direção veicular para a formação de novos condutores, sinto-me na obrigação de cumprir meu papel como especialista em segurança, educação no trânsito e formação de condutores e ajudar a disseminar informações corretas e embasadas. Por isso, destaco que contar com esse equipamento não é uma decisão sem fundamento e muito menos ao acaso. É uma questão que une tecnologia e conteúdo pedagógico em favor de uma formação melhor, resultando em um trânsito mais seguro e que busca preservar vidas.   

E já que falamos no esforço em melhorarmos esse cenário, vale voltarmos um pouco ao passado e às polêmicas geradas no Brasil a partir de mudanças na legislação de trânsito, que demandaram aos motoristas incorporar novos hábitos, o que sempre traz resistência e necessita de um trabalho educativo para ser assimilado. Um desses exemplos foi a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, instituído em 1994 no país. Pesquisas internacionais apontam que a utilização dele reduz em até 40% as consequências fatais em um acidente.

A necessidade de utilizar o dispositivo foi questionada quanto à sua eficácia, mas aos poucos a sociedade entendeu que se tratava de uma medida que tornava mais segura a viagem, tanto que hoje passou a ser aceito e, principalmente, colocado em prática. Porém, nesse caminho foi preciso paciência e muito esforço para que a mensagem fosse incorporada e só agora, mais de duas décadas depois, é um ponto consensual quando o assunto é a segurança na condução do veículo.

Também vale lembrarmos do uso obrigatório de cadeirinhas para o transporte de crianças de até 7 anos, que passou a ser obrigatório no Brasil em 2010. Esse foi outro paradigma quebrado e as estatísticas apontam não haver dúvida de sua eficiência. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a utilização correta da cadeirinha reduz em 70% a possibilidade de morte das crianças em um acidente. Esse dado reforça que, além de ser um cidadão consciente e que respeita a lei vigente, ao utilizar o dispositivo o condutor demonstra também um compromisso com a geração futura ao preservar a vida de seus filhos.
Esses são dois exemplos de mudanças envolvendo os hábitos dos motoristas brasileiros que também sofreram rejeição à época em que foram implantados, assim como o simulador de direção na atualidade, mas que hoje são reconhecidos como itens indispensáveis de segurança, tendo seus papeis reforçados com o apoio das estatísticas citadas. Então, por que não nos permitirmos aceitar a tecnologia do simulador como aliada na busca pela melhor formação de nossos motoristas e, consequentemente, por um trânsito mais seguro?

Sou proprietária de um Centro de Formação de Condutores (CFC) em Belo Horizonte, uso o simulador há quase dois anos e venho acompanhando no dia a dia como ele se mostra eficaz em busca de seu propósito. As aulas na ferramenta são importantes porque contribuem para que o aluno chegue preparado ao momento em que vivenciará a prática de direção em um veículo e consiga reagir de maneira correta e segura ante aos desafios do cotidiano no trânsito. É nítida a diferença entre um aluno que começa as aulas de direção tendo passado pelo simulador e aqueles que não passaram.

O simulador é a oportunidade de quem nunca conduziu um veículo aprender as primeiras noções básicas de manuseio. Além disso, permite que não só conheça os comandos de um carro necessários para uma condução segura, como também vivencie como é dirigir em dias com neblina, chuvosos, em situações de aquaplanagem, em rodovias, serras ou, até mesmo, simulando de que forma o álcool afeta os reflexos do motorista e eleva os riscos de acidentes. Tudo isso com segurança no processo de aprendizado, o que não seria possível simular durante as aulas práticas para ter a tão sonhada Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Em resumo, o aprendizado no simulador só traz benefícios, educando o futuro motorista, acelerando o processo de aprendizagem dele e ainda servindo para que os condutores novatos desenvolvam as habilidades de direção fundamentais antes de assumir a direção de um veículo e sair às ruas. Diante desses avanços, é preciso mostrar disposição em evoluirmos em nossas atitudes e quebrarmos paradigmas, sempre colocando a segurança em 1º lugar!

Roberta Torres

Especialista em Segurança e Educação no Trânsito

terça-feira, 7 de junho de 2016

Agenda Positiva junho #AndeDeBike

Fonte: Observatório Nacional de Segurança no Trânsito


Não é novidade que o trânsito nas cidades é cada vez mais caótico. O hábito de se locomover de carro para ganhar tempo, há anos, tem contribuído para que os congestionamentos sejam constantes e maiores a cada dia.  Contribui também para essa realidade, o fato de o transporte público, em muitos casos, serem insatisfatórios e sequer oferecerem conforto para a população, além de nem sempre serem pontuais.
Este quadro é definitivo? Não necessariamente. Existem outros mecanismos que podem colaborar com a mobilidade e ajudar para um trânsito menos complicado. A bicicleta é um deles e sua utilização vem sendo incentivada e ganhando destaque em vários municípios.
A implantação de faixas exclusivas para o ciclista, que inicialmente foi motivo de polêmica em algumas cidades, passa agora a ser melhor assimilada.
E, assim, as bicicletas deixaram de ser apenas veículos usados na prática de lazer, de esportes, entre outros, e se transformaram em veículo de locomoção para o trabalho ou outros compromissos.
Usar bikes como meio de transporte, porém, traz muito mais benefícios do que simplesmente contribuir para a redução dos congestionamentos. Elas contribuem também para a redução da poluição atmosférica, permitem que, enquanto usadas, seu condutor se exercite fisicamente, entre outros benefícios.
Neste sentido, e para incentivar sua utilização como veículo de transporte, o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) adota como Agenda Positiva deste mês de junho, o tema Ande de Bike. A Agenda disponibiliza vídeo no qual são tratadas as vantagens de se utilizar a bicicleta como meio de transporte.
É só planejar melhor o tempo de percurso até o trabalho, por exemplo, e desfrutar da liberdade da utilização das bikes que proporcionam, igualmente, redução de custos com o transporte. Aproveite e passe a usá-las também para outros tipos de compromissos, além, é claro, de utilizá-las em momentos de lazer, seja para simples pedaladas em ciclofaixas ou para as tradicionais trilhas, que permitem a integração à natureza.







domingo, 29 de maio de 2016

#EuSou+1 por um Trânsito mais Humano - Maio Amarelo

Vamos ajudar!

O ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) lançou nesta terça-feira, 24 de maio,  sua Campanha de Financiamento Coletivo de 2016, pela qual as pessoas, empresas ou entidades diversas que compactuam com o ideal do ONSV e confiam na proposta para a qual o recurso está sendo buscado, podem fazer contribuições via internet.
O objetivo da campanha é subsidiar financeiramente as ações do Movimento Maio Amarelo, que busca conscientizar a sociedade sobre a necessidade de adoção de práticas seguras de direção para a redução do número de mortos e feridos graves nas vias e rodovias do Brasil e do mundo.
Neste ano, a grande mudança é que a campanha está na plataforma JUNTOS e pode ser encontrada e divulgada no link: http://juntos.com.vc/pt/maioamarelo. Todas as informações necessárias podem ser obtidas ao acessá-lo.
A expectativa com o lançamento é que todos os que compartilham das preocupações relativas às mortes e demais efeitos negativos gerados por acidentes se engajem à campanha e que, além disso, convidem mais pessoas a contribuírem.


Meta
A campanha tem como meta financeira a arrecadação de R$ 15 mil para a produção de um volume ainda maior de Relatórios de Ações, e de R$ 30 mil para a entrega presencial do material produzido, durante uma conferência mundial do Conselho Econômico e Social da ONU (Organização das Nações Unidas), que é o canal direto da ONU com as ONGs de todo o mundo.
Na plataforma, há diversas recompensas como o nome no Relatório de Ações 2016, certificado, pins, camisetas e convites para participação no evento Destaques Maio Amarelo 2016 que ocorrerá no Teatro Vivo em São Paulo, no dia 30 de junho.
O ONSV entende que a iniciativa se traduz na maneira de atrair mais pessoas para a compreensão do que é o Maio Amarelo e na disseminação do papel importante que o Movimento exerce para o mundo todo, em relação à conscientização sobre as mortes e feridos graves no trânsito.


ONSV
Idealizador do Movimento Maio Amarelo, o ONSV é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, totalmente dedicada a desenvolver ações que contribuam de maneira efetiva para a diminuição dos elevados índices de acidentes no trânsito do nosso país –índices que vitimam quase meio milhão de pessoas todos os anos, entre mortos, feridos e inválidos em caráter permanente. Foi criado a partir da iniciativa de profissionais pertencentes a diferentes áreas, vindos dos setores da Educação, Fiscalização, Legislação, Veicular, Engenharia, etc. Preocupado com os dados alarmantes divulgados anualmente, o grupo decidiu reunir todo o seu conhecimento, experiência e motivação em um único projeto grandioso e desafiador: mobilizar toda a sociedade em prol de um trânsito mais seguro.
Com esse objetivo, o Observatório Nacional de Segurança Viária é reconhecido pelo Ministério da Justiça como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), atuando muito mais do que como um órgão consultivo, pois não se limita aos aconselhamentos e/ou à emissão de pareceres. O Observatório é, na verdade, um órgão de inteligência que, por meio  de educaçãopesquisaplanejamento e informaçãopromoveexecuta os subsídios técnicos necessários ao convívio harmônico entre pessoas, veículos e vias.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Participação no Programa É de Casa - Segurança no Trânsito




O Programa É de Casa exibido no dia 01/02/2016 falou sobre a segurança no trânsito principalmente na época do carnaval. Um casal testou o simulador de direção para demonstrar quem dirigia com mais segurança, além de algumas situações que ocorrem em rodovias (animais na pista, carros quebrados, etc) e a maneira de se cuidar diante dessas situações.

Para assistir o Quadro na íntegra, clique aqui.

A partir do horário 01:01:15

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Palestra "O simulador de Direção: objetivos, metodologia e utilização"

Por: Roberta Torres
São Paulo, 12 de dezembro de 2015

O tema Simulador de Direção tem sido discutido frequentemente nos últimos eventos relacionados à segurança no trânsito. Em breve, todos os candidatos à habilitação deverão cumprir uma parte da carga horária no equipamento.

Neste sábado, dia 12 de dezembro, a convite da empresa ProSimulador, pude apresentar em São Paulo, minha palestra sobre o tema com base no estudo e pesquisa que tenho desenvolvido desde o final de 2013. Estavam presentes Daniel Annenberg, Diretor Geral do DETRAN de São Paulo, Maxwell Vieira, Diretor de Habilitação, Aldari Onofre, presidente do Sindicato dos CFCs de São Paulo, além de mais de 1.500 instrutores e diretores dos CFCs de São Paulo.
O Simulador de Direção é um equipamento com características parecidas com as de um veículo que fornece um ambiente multissensorial. O condutor controla e conduz o movimento do veículo simulado virtualmente por cenários projetados à sua frente em telas, através de softwares específicos. A via é projetada para o condutor que terá uma visão virtual, sendo os cenários criados a partir de mídias digitais. (árvores, placas, topografia, etc).

Seus principais objetivos são: Reproduzir a sensação de conduzir um veículo, porém, com as vantagens de se ter o controle das variáveis  da condução e não  colocar o condutor em risco. Além disso, é possível registrar os comandos do motorista, informações sobre o trânsito, erros de condução, infrações e outras medições fisiológicas durante a sessão de simulação para análise de comportamento do condutor.







Os simuladores de direção são utilizados em:
  • Estudos de tráfego como alteração de projetos e de vias;
  • Desenvolvimento de novos veículos e novos dispositivos de segurança;
  •  Testes com novas sinalizações;
  • Avaliação do comportamento humano do condutor (álcool, drogas, sono, fadiga);
  • Formação de condutores;
  • Aperfeiçoamento de motoristas habilitados e profissionais e condução de veículos específicos.

Além do Brasil, países que tem algum tipo de regulamentação a respeito da utilização do simulador de direção:

Holanda
Canadá (Montreal e Quebec )
EUA (Califórnia, Manhattan e Kansas)
Chile
Japão
Tailândia
China
Finlândia
União Europeia
Marrocos
França
Uruguai
Espanha
Panamá
Bielorrússia
República Tcheca
Irlanda
Lituânia
Romênia
Rússia
Eslováquia

Para acessar o estudo completo, clique aqui.








terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Congresso Brasileiro da Associação Nacional dos DETRANS

Fonte: Observatório Nacional de Segurança Viária – ONSV
Foz do Iguaçu, 02 e 03 de dezembro

Presidente AND - Marcos Traad
Com o tema "O Jovem e a Transformação do Trânsito, o Congresso Nacional da AND (Associação Nacional dos Detrans) reuniu mais de mil pessoas durante os dois dias de discussões na cidade de Foz do Iguaçu-PR, na primeira semana de dezembro. O presidente da Associação, Marcos Traad, fez uma homenagem ao Movimento Maio Amarelo no discurso de abertura do evento, lembrando a todos os representantes de autoescolas e funcionários dos Detrans presentes da importância de trabalhar a conscientização em todas as áreas da sociedade para um trânsito mais seguro diariamente.



Além dos debates e palestras, foram realizados minicursos em diversas áreas desde melhorias no gerenciamento das autoescolas até como os despachantes podem ter mais segurança nos processos veiculares. Uma feira com expositores de vários segmentos também foi montada na mesma área do Congresso, para levar as mais novas tecnologias para trabalhadores dos Detrans, autoescolas e despachantes.

Mais de 1.000 pessoas compareceram ao evento


O ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) também esteve presente na feira, onde pôde divulgar os trabalhos gratuitos que realiza, na área de conscientização e educação, principalmente para os Detrans e CFCs (Centro de Formação de Condutores). O portal de estatísticas e o SOMA (Sistema de Observação, Monitoramento e Ação) foram as ferramentas que mais chamaram a atenção dos participantes do Congresso.

Equipe do Observatório
Além do vice-presidente do OBSERVATÓRIO, Mauro Gil, e da responsável pela área de Comunicação, Daniela Gurgel, também participaram do Congresso pelo OBSERVATÓRIO, o diretor-presidente José Aurélio Ramalho, a responsável pela área de Educação, Roberta Mantovani, o os Observadores Certificados Ordeli Savedra Gomes (RS), Roberta Torres (MG) e Márcia Pontes (SC).
As palestras tiveram focos variados dentro do tema do Congresso: “O jovem e a transformação do trânsito”. Psicólogos, pedagogos, educadores, sociólogos, estudiosos sobre comportamento, enfim, uma gama de profissionais de diversas áreas do trânsito esteve presente nos dois dias de discussão, com várias análises sobre o trânsito.

O Tenente-Coronel da Reserva da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul e Observador Certificado, Ordeli Savedra falou dos desafios do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) ao completar 18 anos de implantação. As principais mudanças e as alterações positivas foram ressaltadas pelo Observador.

Palestra Coronel Ordeli

A mesa que debateu “O papel da sociedade na defesa da vida no trânsito” contou com a presença de duas Observadoras Certificadas e educadoras: Márcia Pontes e Roberta Torres. Todos os debatedores dessa mesa foram unânimes e conclamaram a sociedade para, juntos, mudarmos o atual quadro de violência no trânsito.

Márcia mostrou o trabalho que é realizado em Blumenau-SC e demonstrou a importância da união entre: sociedade civil, poder público e iniciativa privada para dar condições seguras para todos que transitam.

Palestra Márcia Pontes

Palestra Roberta Torres
Já Roberta Torres trouxe o exemplo do Movimento Maio como um “case” de sucesso onde a sociedade é o protagonista da mudança. Ela citou uma frase do deputado federal Hugo Leal (PROS) para afirmar que, somente juntos, vamos ver os números do trânsito sair dos atuais 21,02 mortos por 100 mil/habitantes para quem sabe, alcançar os atuais 3 mortes por 100 mil/habitantes que a Suécia exibe. Para ela, o deputado está corretíssimo ao afirmar que: “ações específicas e pontuais com base nas características e particularidades regionais” irão nos trazer a segurança viária que tanto almejamos.




A última mesa de debates do Congresso, contou com a presença da pedagoga Roberta Mantovani e do diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, José Aurelio Ramalho. Juntamente com mais dois psicólogos explanaram sobre “Jovem: medo, ansiedade e a violência no transito”. Roberta contou a experiência de passar por um acidente e mostrou que essa violência é previsível e evitável e que somente o tripé: fiscalização, educação e engenharia juntos irão mudar o atual momento da segurança viária no Brasil.

Palestra Roberta Mantovani

Ramalho trouxe todo o trabalho e expertise do OBSERVATÓRIO na luta por um trânsito mais seguro. Mostrou as diferentes áreas de atuação da entidade para que, cada um, possa adquirir a percepção do risco que o trânsito traz e mudar o comportamento. A Agenda Positiva e os vídeos educativos do Programa Observar foram apresentados e disponibilizados para todos os Detrans para que possam usar essas ferramentas de Comunicação para ajudar a sociedade a enxergar o trânsito como algo que precisa de muita atenção e cuidado. O ponto alto da apresentação do presidente do OBSERVATÓRIO foi a performance do ator Stenio Bueno Fornari, de 18 anos de Foz do Iguaçu que emocionou o público.
Marcos Traad Presidente da AND e José Aurélio Ramalho Presidente do ONSV 

Ator Stenio Bueno Fornari

“Gostei muito de realizar esse trabalho, agradeço essa oportunidade. Essa ong é a luz para um trânsito melhor”, disse o ator depois da apresentação.


Mais informações: www.onsv.org.br

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Inovação para os CFCs

Por Roberta Torres

Uma das coisas que aprendi que ao longo desses anos à frente de um Centro de Formação de Condutores foi sobre a competitividade do mercado. De fato, temos três formas de concorrência.

A primeira é “Preço”

Muitos proprietários de CFCs ficam brigando para conquistar os alunos através de preços baixos. Chega um momento que não dão conta mais de sobreviver. E essa, no ponto de vista mercadológico não deve ser a visão de um empresário que almeja o sucesso.

A segunda é a “Qualidade”


Ouvimos frequentemente falarem de qualidade, mas poucos realmente a coloca em prática. Atualmente, a qualidade é tão importante, que não há mais o que se discutir. É obrigação de qualquer empresa que queira permanecer no mercado. E é importante que absolutamente todos os colaboradores do CFC entendam exatamente o que se espera deles em termos de qualidade e que esses procedimentos sejam acompanhados frequentemente.

E a terceira é a “Inovação”

Este é o grande diferencial.  A inovação é a nova arma da competitividade.  É você fazer algo diferente do que os outros fazem, ou igual ao que poucos fazem, porém de uma maneira melhorada. Também é possível inovar pegando como exemplo algo que outros CFCs fazem em outra cidade, ou outro estado e implementar com melhorias. Ir no sentido oposto daqueles que só reclamam. Uma hora da crise, outra hora dos procedimentos do CONTRAN e DETRAN, e assim, não seguem em frente. É preciso sair da posição de vítima e enfrentar cara a cara os problemas na busca de soluções.

Uma das etapas do CFC que, em minha opinião merece uma atenção especial quando se trata de Inovação é o curso teórico-técnico. Como estão sendo realizadas as aulas no seu CFC? Você já parou para pensar nisso? O seu professor ainda utiliza filmes antigos para substituir as aulas ministradas? Os seus simulados são feitos através de Xerox em que o aluno deve apenas marcar no gabarito as respostas e depois devolver a prova para o professor? Seu professor é atuante, estudioso e utiliza diferentes recursos para tornar a aula atrativa? A apostila que você usa é daquela gráfica mais barata com o conteúdo mais resumido possível?

Essas são perguntas que tem como objetivo nos fazer pensar sobre qual a importância estamos dando ao curso teórico-técnico. E se não seria a hora de Inovar e fazer dele um grande diferencial na sua empresa.

Agora, imagine você com um professor comprometido, unindo a um material bem escrito, de boa qualidade, completo (e não simplesmente resumido), com um livro de apoio para o professor. Um apoio multimídia para que o professor utilize tornando sua aula mais atrativa e dinâmica, atrelado a um aplicativo onde o aluno poderá complementar seus estudos em casa, no trabalho, no ônibus, etc. É disso que estou falando! Inovação! Um conjunto de soluções para auxiliar o professor no desenvolvimento de um curso teórico show! Em que os alunos irão sair encantados e obviamente “vendendo” sua empresa para outras pessoas.

Eu decidi usar o material da AUTO CLIQUE no meu CFC exatamente por isso! A AUTO CLIQUE é uma empresa que se preocupa não só com a qualidade dos seus produtos, mas também tem um compromisso com a Inovação. Tem gente lá dentro pensando o tempo todo em como levar novas soluções para os CFCs poderem melhorar seus procedimentos pedagógicos. E mais que trabalhar com o material deles, decidimos unir nossas forças para buscarmos as melhores soluções.


Pra começar, eles oferecem um SITE GRATUITO para todos os seus clientes. E o melhor é que você mesmo pode atualizar o site, sem ficar dependendo de um programador ou outro profissional para fazer isso. Tem também o APLICATIVO onde o CFC poderá inclusive revender para os alunos junto com o SIMULADÃO e ainda reverter isso em renda para a empresa. A APOSTILA além de ter o acabamento em espiral vem com a capa personalizada, reforçando a identidade visual da sua empresa. E, para complementar, um dos grandes diferenciais é o conteúdo de apoio para o professor. Um material MULTIMÍDIA com vídeos, links, conteúdo, jogos, exercícios e o LIVRO DO PROFESSOR: uma inovação no mercado de editoras do Brasil. O Livro do professor contempla orientações apontando os recursos didáticos, atividades, referências bibliográficas, dicas para que a aula possa ser mais bem estruturada e atinja os seus reais objetivos.
Site Gratuito

Aplicativo

Simuladão

Apostila

Capa personalizada
Multimídia

No próximo artigo, falarei um pouco das estratégias de marketing que você poderá utilizar no seu CFC com o material da Auto Clique.

Até breve!
Roberta Torres

Contato:
Endereço: Av. Brg. Eduardo Gomes, 1437 - loja 01 - Glória, Belo Horizonte – MG.
Telefone: (31) 3495-3264






sexta-feira, 20 de novembro de 2015

CEBDS e ONSV lançam ferramenta de autoavaliação empresarial em segurança viária

Fonte: ONSV

Brasília, 18 de novembro - O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) e o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) apresentam nesta quarta, 18/11, o Manual de Boas Práticas em Segurança Viária e a inédita Ferramenta de Autoavaliação, durante a 2ª Conferência Global de Alto Nível em Segurança no Trânsito – Tempos de Resultados, em 2015, em Brasília.

O principal objetivo do Manual é desenvolver um modelo capaz de aumentar a segurança viária, invertendo os impactos negativos hoje provocados pelos acidentes tanto nas empresas quanto para a sociedade. Além de reduzir o número de mortes e de lesões permanentes, as ações voltadas para melhorar a segurança viária trazem benefícios para as empresas – aumento de produtividade, redução de afastamento de colaboradores e de gastos com imprevistos, redução de acidentes ambientais com transporte de cargas perigosas, ambiente de trabalho mais saudável, entre outros.

A Ferramenta está sendo disponibilizada, gratuitamente, a qualquer empresa interessada em adotá-la, no site do CEBDS (www.cebds.org) e no site do ONSV (www.onsv.org.br). Embora elaborada com foco inicial em transporte de cargas, pode ser aplicada a transporte de passageiros.

Contexto brasileiro

Os acidentes de trânsito estão entre as principais causas de mortes prematuras ou lesões permanentes no Brasil. De acordo com o último levantamento da ONU (2010), o país estava em quarto lugar no ranking do número de mortes no trânsito no mundo, superado apenas por China, Índia e Nigéria. Estima-se que 10% das mortes ocorridas no trânsito – foram 42.266 em 2013, no Brasil – estejam relacionadas com o transporte corporativo e, por isso, entram na classificação de acidentes de trabalho.

O alto custo dos acidentes

Além dos custos incomensuráveis de vidas, o alto número de acidentes no Brasil tem impactos diretos na performance interna das empresas: desde a manutenção da frota a custos associados a indenizações e perdas de produtividade.

O Manual, produzido com a colaboração fundamental das empresas sob a coordenação da Câmara Temática de Mobilidade Sustentável do CEBDS, traz um modelo e cria uma referência para a avaliação técnica e análise dos critérios de segurança na cadeia de valor de diferentes setores. Busca orientar a realização de um diagnóstico da situação atual da segurança no deslocamento de pessoas e produtos a serviço da empresa (ex. transportes de produtos químicos; idas à reuniões etc., excluindo deslocamentos casa-trabalho) e traz recomendações para redução da exposição ao risco. Além disso, contempla cases de sucesso sobre os benefícios da gestão da segurança viária operacional nas empresas.
A ferramenta, elaborada para aplicação em empresas de diferentes portes, é um formulário automatizado de autoavaliação. Ele apresenta, como resultado do seu preenchimento, a definição de um Plano de Ação para uma melhoria nas práticas de deslocamento das empresas.


CEBDS
O CEBDS é uma associação civil sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento sustentável para empresas que operam no Brasil, interagindo com governos e a sociedade civil, além de disseminar os mais modernos conceitos e práticas relacionados ao tema. O CEBDS foi fundado em 1997 por um grupo de líderes empresariais conscientes das mudanças e oportunidades apresentadas pela sustentabilidade, especialmente após a Rio 92. Atualmente reúne 70 dos maiores grupos empresariais do País, com receitas que correspondem a 40% do PIB e responsáveis por mais de um milhão de empregos diretos. O CEBDS é o representante no Brasil do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD), que é composto por quase 60 conselhos nacionais e regionais em 36 países e 22 setores industriais, além de mais de 200 grupos empresariais atuantes em todos os continentes.

ONSV

ONSV é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que desenvolve ações que contribuam de maneira efetiva para a redução dos elevados índices de acidentes no trânsito em nosso país – índices esses que vitimam mais de meio milhão de pessoas todos os anos, entre mortos, feridos e inválidos em caráter permanente. O Observatório atua muito mais do que como um órgão consultivo, pois não se limita aos aconselhamentos e/ou à emissão de pareceres. O Observatório é, na verdade, um órgão de inteligência que, por meio de educaçãopesquisaplanejamento e informação, promove e executa os subsídios técnicos necessários ao convívio harmônico entre pessoas, veículos e vias. A entidade também criou o Movimento Maio Amarelo, mobilização internacional para salvar vidas no trânsito, presente  em mais de 20 países nos cinco continentes. Em 2016, a entidade completa cinco anos e -  desde o seu surgimento -  reúne profissionais de diferentes áreas, vindos dos setores da Educação, Fiscalização, Legislação, Veicular, Engenharia etc, preocupados com os dados alarmantes divulgados da violência no trânsito. Esse grupo decidiu reunir todo o seu conhecimento, experiência e motivação em um único projeto grandioso e desafiador: mobilizar toda a sociedade em prol de um trânsito mais seguro.

Mais informações: www.onsv.org.br

Seja um membro você também!