terça-feira, 10 de agosto de 2010

Não vou me adaptar


Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia...
Será que eu falei o que ninguém dizia?
Será que eu escutei o que ninguém ouvia?

Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar, não!
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar!

Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara já não é minha
Mas é que quando eu me toquei achei tão estranho
A minha barba estava deste tamanho...
Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?

Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar,
Não vou!
Me adaptar!

Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia...
Eu não tenho mais a cara que eu tinha

No espelho essa cara já não é minha
Mas é que quando eu me toquei achei tão estranho
A minha barba estava deste tamanho...
Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?

Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Eu não vou!
Me adaptar, não vou
Eu não vou!
Não vou me adaptar
Não vou!
Me adaptar!

Hoje o dia pousou na minha cabeça e clareou
Hoje o dia pousou na minha cabeça e clareou
Eu já não tenho mais certeza de nada
De tudo que ontem falei pra você
Gaquejo quando tento falar
Fraquejo quando tento mandar
Sou forte quando bebo cerveja
Me aqueço quando penso em fumar
Não vou me adaptar
Me adaptar não vou, não
Não vou me adaptar, não

Composição: Arnaldo Antunes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim.

Seja um membro você também!